• Thursday, May 21, 2020


    Não conseguia conter a emoção a cada passo que dava ao se aproximar do prédio que vira há dois dias. O enorme restaurante-ginásio parecia cada vez mais bonito conforme olhava. Era um tanto bizarro imaginar um local que ao mesmo tempo que proporcionava calmos e deliciosos almoços e jantares também era palco de lutas agitadas entre Pokémon. A placa era a primeira coisa que chamava a atenção: “Striaton Gym & Restaurant! The Triple Trouble”.
    — Problema triplo? – leu Bianca. – O que isso quer dizer?
    — O ginásio é comandado por três grandes líderes e chefs de cozinha – explicou Fennel. – E detalhe: eles são irmãos.
    — Tá querendo dizer que eu vou ter que batalhar contra três de uma vez? – o treinador ficou um tanto ansioso.
    — Isso você vai descobrir quando entrar... – respondeu a mulher, rindo. – Vem, vamos lá.
    O interior era tão incrível quanto o exterior. Tradicional descrevia a sensação que aquele ambiente passava, o piso era de carpete e as paredes e pilares eram de um tom de marrom que imitavam madeira com ornamentos, as janelas tinham as bordas pretas e iluminavam todo o salão. Havia muitas mesas que seguiam o mesmo padrão, quadradas ou retangulares com elegantes toalhas brancas e confortáveis cadeiras de madeira de cor bege, no teto, para quando a luz do sol não estivesse mais lá, jaziam dois enormes e lindos lustres amarelados. Quem quer que fosse o dono do local, tinha muito bom gosto e quis manter o visual antiga, mudando apenas algumas coisas para se manter dentro do mercado.



    Uma garçonete com um delicado vestido laranja e avental se aproximou, fazendo questão de recepcionar os clientes com um sorriso enorme no rosto.
    — Boa tarde, senhoritas e senhor – começou. – Vocês têm alguma reserva?
    — No nome de Fennel – respondeu a cientista. – Eu liguei hoje de manhã.
    — Oh, fui eu que atendi você – riu a outra. – Por aqui. Mesa para cinco, certo? – ela começou a andar pelo salão, sendo seguida pelos outros.
    — Exatamente.
    Próximo de uma janela, uma mesa estava organizada com cinco cadeiras, a garçonete convidou-os a sentar e quando estavam todos confortáveis, entregou um delicado menu bege com dourado para cada pessoa.
    — Vou dar um tempinho para que vocês possam escolher e já volto – a mulher terminou de orientar e saiu.
    Hilbert ajeitou a bolsa com Victini dentro no chão e o mesmo espiou o ambiente, curioso.
    Ei, eu quero comer também – sussurrou o pequeno.
    — Eu sei, eu sei – sussurrou o treinador de volta. – Fica esperto que eu vou te passando comida conforme for chegando.
    Hilda, que estava ao lado do menino, observando tudo, ironizou:
    — Não vão querer roubar a comida daqui também, né? – riu.
    — Engraçadinha... – murmurou, mostrando a língua.
    O grupo estava tão concentrado na infinidade de pratos no menu que nem notaram a aproximação de alguém.
    — Boa tarde – começou ele, recebendo a atenção de todos.
    De aparência jovem, o rapaz tinha cabelos curtos com um pequeno topete espetados de cor verde, que combinavam com seus olhos da mesma cor e a pele quase pálida. Usava um uniforme diferente dos outros garçons, uma camisa social branca coberta por um colete preto com botões dourados, a calça social era escura e os sapatos bem polidos eram de cor marrom, na cintura, possuía um singelo avental e o pescoço era rodeado por uma gravata borboleta de um tom verde escuro.


    — Desculpa interromper vocês – continuou. – Vi que são rostinhos novos, com a exceção da Fennel e da pequena Amanita, então vim recepcioná-los pessoalmente. Meu nome é Cilan, eu sou um dos chefs do restaurante.
    Hilbert cutucou Grimaud em seu ombro e sussurrou:
    — É ele um dos líderes do ginásio?
    Exatamente, senhor Hilbert. Quando não estão batalhando, estão cozinhando e servindo comidas que me parecem super apetitosas.
    — Ótimo! Cilan! – o garoto se levantou num pulo. – Eu te desa-
    Hilda agarrou o braço do garoto e o fez sentar com certa violência.
    — Podemos conhecer seus irmãos? – questionou a morena, com um sorriso nervoso, ouvindo alguns protestos do companheiro. – Ouvi falar que são cozinheiros incríveis como você.
    Cilan riu:
    — Eu agradeço o elogio e espero poder agradar a senhorita com os melhores pratos da região de Unova – sorriu. – Vou chamar Chili e Cress para conhecê-los – o rapaz de cabelos verdes deu a volta nos calcanhares e se dirigiu para os fundos onde provavelmente era a cozinha.
    — Porque fez isso, Hilda? – questionou Hilbert, irritado.
    — Eu não vou deixar você desafiar eles antes da gente comer – explicou a menina, cruzando os braços – Eu estou com fome e eles parecem ser excelentes cozinheiros.
    — É melhor batalhar de barriga cheia, Hilbert – riu Bianca. – Estará com energia de sobra para um confronto digno.
    O garoto coçou a nuca, um pouco corado.
    — Tem razão. Vai torcer por mim?
    — Com certeza.
    Cilan voltou em poucos minutos com outros dois jovens, que se não fossem pelos cabelos e cores de olhos, seriam exatamente como o rapaz de cabelos verdes consideram que usavam o mesmo estilo de uniforme. Um tinha cabelos lisos e azuis com uma ajeitada franja por cima de um dos olhos que também eram azuis e o outro tinha cabelos espetados, rebeldes e vermelhos e olhos expressivos e de mesma cor.

     

    — Pessoal? Esses são meus irmãos – ele apontou para o de azul. – Esse é Cress e esse – ele se direcionou para o de vermelho. – Chili.
    — Olá pessoal. É um prazer enorme conhece-los – sorriu Cress. – Adoramos receber todo tipo de treinador. Vocês são de longe?
    — Eu sou de Castelia – sorriu Hilda.
    — Eu vim de Nuvema – respondeu Bianca.
    — Eu estou há um bom tempo na estrada, mas vim de Lentimas – disse Hilbert.
    — Cada um de um lugar diferente, isso é maravilhoso – sorriu o jovem. – Espero que possamos agradar com nossa comida para que possam nos elogiar nas suas cidades – ria.
    — Bem-vindos, fiquem à vontade – riu Chili.
    Hilbert estava impressionado com o ar de experiência que os três passavam mesmo com a aparência tão jovem.
    —  Bem, agora que nos conhecemos, queremos que sejam bem recepcionados e desfrutem da nossa deliciosa comida – Cilan sorriu gentilmente e se encaminhou de volta a cozinha com os irmãos.
    — Uau! – exclamou Hilbert – Eles são os líderes? Achei que seria um cara gordo e velho com ar superior e metido a chef supremo do universo.
    — Tipo aquele cara que acabou de entrar no restaurante? – completou Hilda, meneando a cabeça em direção a porta de entrada.
    Ao que todos viraram a atenção para o local, se depararam com um senhor de muita classe que utilizava um dólmã branca que realçava a enorme saliência em seu abdômen, a pele era pálida e o rosto rechonchudo quase escondiam o belo par de olhos azuis. Ele não era tão alto, mas sabia impor intimidação.
    Ao entregar seu casaco para uma das garçonetes que o recebeu com certo receio, o enorme chefe começou a analisar o local como se julgasse cada canto do restaurante, começou a resmungar para si mesmo como se anotasse algo em sua mente. A figura era engraçada, mas mesmo assim, trazia uma certa soberania.
    —  Acho que reconheço esse rosto... – murmurou Hilda.
    — É outro amigo seu? Ou parente? – questionou Hilbert.
    A garota refletiu por alguns minutos e bateu as mãos.
    — ÉRICO P. NETTO! – exclamou, abaixando a voz no final ao perceber que algumas pessoas e até o próprio Érico direcionaram seu olhar para ela. – D-Desculpe... – riu, sem graça, virando-se em direção a mesa que estava.
    — Quem? – questionou o garoto ao seu lado, num sussurro.
    — Érico P. Netto, é um chef famoso, conhecido pelos seus pratos doces e seu restaurante em Nimbasa City – explicou Fennel, juntando-se a conversa, falando em um tom baixo.
    — Já fui algumas vezes com a minha mãe. Ele é bem perfeccionista e rígido.
    — Ele só parece engraçado para mim – argumentou Hilbert, dando de ombros. - Não dá pra levar a sério um cara que anda com uma roupa daquelas na rua.
    — É mesmo, meu jovem? – uma voz grossa veio na nuca do garoto, que gelou ao ver a sombra redonda se formando por cima dele, ao virar-se, notou que Érico olhava seriamente para ele. – Eu também acho engraçado o fato de você estar usando um boné dentro de um restaurante.
    — Eu... Eu... – o menino sentiu as palavras faltarem e apenas abaixou a cabeça, envergonhado.
    — O silêncio é a melhor resposta – o chef ajeitou sua roupa, olhando para os outros integrantes da mesa.
    — Oh, senhor Netto – Cilan surgiu da cozinha e se aproximou. – O-obrigado por vir, desculpe não estar na porta para te recepcionar. A casa vai lotar em breve e estamos organizando a mise en place.
    — Essa mesa já foi atendida? – Érico direcionou-se a mesa em que Hilda e Hilbert e seus amigos estavam. – Vejo eles segurando menus, mas não vi nenhum garçom ou garçonete atendendo-os de fatos.
    — A-ah – o cozinheiro acenou timidamente para uma das garçonetes que se aproximou apressadamente. – Vão ser atendidos agora mesmo, senhor. Porque não se senta aqui? Agradeço demais sua presença, vamos adorar ouvir suas críticas e sugestões sobre nossos pratos. Preparamos uma mesa para o senhor – Cilan começou a se distanciar com o novo convidado.
    — Meu Arceus, eu achei que fosse morrer – choramingou Hilbert.
    — Ele parece ser tão superior – comentou Bianca. – O que ele veio fazer aqui?
    — Provavelmente veio “julgar” o restaurante – respondeu Fennel, franzindo a testa. – Devem estar tentando conquistar outro prêmio nacional. Ajuda na propaganda.
    — É meio estranho, né? – refletiu Hilbert, brincando com um garfo. – Como ele pode dizer que uma comida é melhor que a outra? Eu odeio carne de Bouffalant, mas é injusto dizer que todo prato com essa carne é ruim – ele percebeu os olhares virados para ele. – O que foi?
    — Estou impressionada como uma coisa tão filosófica e correta saiu da sua boca. Tem certeza que o Grimaud não tá sussurrando isso no seu ouvido? – debochou Hilda.
    — Engraçadinha... – o garoto respondeu mostrando a língua. – O Grimaud nem está aqui mais, deve estar por aí, atrás de alguma garçonete.
    — Ok, ok. Podemos fazer nossos pedidos? Estou começando a ficar com fome – riu Fennel, lendo o cardápio.

    O restaurante aos poucos foi lotando de pessoas, algumas eram cliente assíduos, outros eram turistas e os mais tímidos eram fãs do renomado Érico P. Netto que só entraram na esperança de conseguir uma foto ou um autógrafo. Ao decorrer do tempo, foi-se notando o desespero dos garçons e garçonetes que começavam a retornar alguns pedidos que eram devolvidos pelos clientes com uma certa careta ou reclamação. Hilda e os demais da mesa começaram a estranhar tanta revolta pelos pratos, até que enfim, os pedidos chegaram. A garota analisou o prato raso branco e delicado a sua frente onde repousava uma casquinha de Krabby, decorada com uma... bola de sorvete?.
    — Isso tá meio estranho... – murmurou para si. Mesmo sendo de uma família de classe alta e estando a acostumada a ver os mais exóticos pratos, sorvete não parecia a melhor combinação para o prato.
    — Eu pedi carne de Tauros, mas algo aconteceu e estou vendo assas de Ducklett fritas – disse Fennel. – E o seu, Amanita?
    — O meu parece que veio certo – a garota experimentou o molho do curry que tinha pedido. – Ew, colocaram açúcar no lugar do sal...
    — O meu está igual da Hilda, com uma bizarra bola de sorvete numa casquinha de Krabby – riu Bianca. – Hilbert?
    Hilbert parecia não estar focado na conversa, já estava furiosamente devorando seu prato.
    — O dele veio certo? – questionou Hilda, analisando o prato.
    — Estou vendo morangos e... Aquilo é carne de Bouffalant? – concluiu Fennel, um tanto relutante.
    O garoto parou de se deliciar com sua refeição e arregalou os olhos em direção as garotas na mesa.
    — Carne de Bouffalant? – questionou, temoroso.
    — É o que parece, ela é mais escura que a carne de Tauros – respondeu a morena ao seu lado. – O que achou que fosse?
    — Sei lá, qualquer tipo de carne – ele mostrou a língua. – O quê? Não me julguem, a receita é assim, não é? Tenta saborear as coisas separadamente. Morango? Bom. Creme? Bom. Molho? Bom. Carne? Bom.
    Hilda fez uma certa cara de nojo e começou a observar o restaurante, mais especificamente o renomado chef Érico que parecia impaciente e bravo com um prato a sua frente que era muito parecido com o que Hilbert tinha devorado segundos atrás.
    — Eles parecem perdidos – sussurrou Bianca para amiga.
    O grito estridente veio da mesa do ilustre P. Netto.
    — JÁ CHEGA! Isso daqui tá fora de controle! – o rechonchudo se levantou. – Menina, fecha o restaurante! – apontou para uma das garçonetes. – Quero todo mundo fora daqui.
    Desesperada, mas com medo de contrariar as ordens de alguém tão imponente, a funcionária e outros garçons começaram aos poucos a dispensar os clientes do local, educadamente. Um homem ruivo, que estava pálido pelo medo, se aproximou da mesa de Hilda e os outros e gentilmente estendeu a mão para a porta, repetindo várias as vezes as palavras por favor e desculpa.
    — Mas e a minha batalha? – argumentou Hilbert, decepcionado.
    — Faremos isso outro dia – sua companheira de jornada segurou seu braço e o guiou para fora.
    O grupo se encaminhou em direção a saída, dando uma última espiada no salão. Na parte em que dava a cozinha, os três gêmeos, os grandes chefs da região de Unova e provavelmente, grandes líderes de ginásio, observavam, com tristeza, cada cliente sair. O treinador que estava ansioso para conquistar insígnia se perguntara se a sua futura e incerta batalha seria um desastre igual o prato que lhe fora servido.


    Cilan encostou-se na parede da enorme cozinha e olhou para seus irmãos. Chili tirou a touca protetora e encarou sério os dois irmãos.
    — Eu disse que isso não daria certo – resmungou, em tom ríspido.
    — Foi só uma pequena falha, Chili – argumentou Cress, paciente e calmo.
    — Pequena?! – o irmão de cabelos vermelhos riu alto, debochado. – Cara, aquilo foi um desastre. E o Cilan achando que a gente tava pronto para enfrentar um chef daqueles. Cara, a gente é péssimo, admita.
    — Prometemos para a mamãe – murmurou o jovem.
    — Prometemos a mamãe que cuidaríamos bem do restaurante dela, não que bancaríamos os Masterchefs! – retrucou Chili, com o rosto mais vermelho do que seus cabelos.
    — Vocês concordaram comigo! – o de verde elevou o tom de voz. – Eu não sou dono desse lugar sozinho, se eu tive culpa, vocês tiveram também!
    — Pessoal... – Cress tentou interferir.
    — Eu concordei em lutarmos para fazer a casquinha de Krabby da mamãe continuar sendo um dos melhores pratos da região de Unova. Você quis extravasar e enfiar um chef renomado para avaliar o prato bem no momento em que estamos lidando com a morte da nossa mãe e a conciliar o restaurante e o ginásio! Perdemos cinco batalhas seguidas por conta da nossa falta de preparo!
    — Não venha me dizer como lidar com a morte da mamãe, você ao menos foi no funeral dela! – gritou Cilan, cerrando os punhos.
    — Ok, ok, vamos parar os dois! – mesmo relutante, o irmão de cabelos azuis levantou os braços na tentativa de acalmar os ânimos.
    — Agora entendo de onde veio tanta confusão no preparo dos pratos – Érico adentrou a cozinha com toda a elegância possível. – The triple trouble, faz sentindo quando você ouve três irmãos discutindo. Discussão tripla, problema triplo, confusão tripla.
    — D-desculpe, sr. P. Netto... – suspirou Cilan. – Não era pra ser daquele jeito. Faz uma semana que nossa mãe faleceu, ela carregava esse lugar nas costas, a gente só cuidava da parte do ginásio.
    — O primeiro passo para um bom restaurante é aprender a separar o pessoal do ambiente da cozinha – o chef começou a caminhar pela cozinha. – Vocês têm tudo na mão, mas ainda agem como amadores.
    — Cozinhamos há mais de dez anos – retrucou Chili, cruzando os braços.
    — Eu cozinho há vinte e cinco anos, mas eu nunca disse que sou o melhor por aí. Eu tenho muito a aprender ainda.
    — Desculpe... – suspirou o de vermelho. – Peço perdão se desapontamos o senhor, a ideia não foi minha e do Cress, foi do Cilan que queria dar uma de durão e provar logo de cara que somos melhores cozinheiros que nossa própria mãe. Talvez se o senhor pudesse voltar no futuro...
    — Amanhã! – Cilan disse de prontidão – Amanhã é outro dia, senhor, passaremos a noite treinando esses pratos se precisar, mas por favor, não desista da gente. Lhe daremos a melhor casquinha de Krabby que o senhor já provou e lhe mostraremos que aquele Triple Trouble na porta é para mostrar aos outros restaurantes que somos os melhores. 
    — Me sinto desafiado – sorriu Érico. – Pois bem, me mostrem. Mostrem-me que vocês têm o melhor restaurante de Unova e eu elogiarei vocês nos quatro cantos da região.
    — C-combinado – tenso, o de cabelo verde estendeu a mão e fechou o acordo com um aperto leve. O grande chef saiu em passos largos e silenciosos.
    Chili encarou o irmão, furioso.
    — Que merda você acabou de fazer?! – exclamou.
    — Vamos conseguir, Chili – respondeu. – Nós somos bons, só não estávamos em um dia bom.
    — A nossa mãe era boa! Nós não somos 1% dela! Você tem que a aprender a abaixar a bola e ser mais humilde, Cilan! – batendo o pé, terminou: - Eu não vou ajudar nessa palhaçada.
    — Chili!
    — Chili... Por favor – Cress colocou a mão sobre o ombro do irmão. – Eu entendo de verdade que você está frustrado por hoje. Eu admito que nós três falhamos. Por favor, faça isso pela promessa a nossa mãe. Ela sofreu tanto para nos criar e levantar esse lugar, seria horrível assumir e ficar brigando à toa.
    — Farei isso por você, Cress... E pela mamãe – em seguida, encarou Cilan. – E quanto a você, aprenda a controlar a sua boca enorme. Se isso não der certo, é o fim desse lugar – o jovem tirou o avental, pendurou-o sobre um cabideiro e saiu.
    Cilan suspirou e olhou para o irmão de cabelos azuis.
    — O que a mamãe faria essas horas?
    — Sinceramente? Ela puxaria nossas orelhas e daria um sermão sobre como sermos mais unidos – riu.
    — Sinto falta dela... – respondeu, melancólico.
    — Todos sentimos – o outro suspirou de volta.


    Quando a noite caiu, as luzes da cidade começaram a se acender, postes iluminavam as calçadas e vias e as luzes dos prédios clareavam apartamentos e outros ambientes. Hilbert estava na casa de Fennel, caminhando impaciente pela pequena sala.
    — Dá pra você sentar um pouco? – resmungou Hilda, com as pernas encolhidas no sofá, penteando os pelos de Zorua.
    — Eu não acredito que aquele velho gordo metido atrapalhou minha primeira batalha de ginásio – protestou o garoto, cruzando os braços.
    — A culpa não é dele – respondeu Fennel, sentada sobre uma banqueta alta. – Eu nunca vi aquele restaurante falhar daquele jeito. Deve ser por conta do falecimento da dona, a mãe de Cilan, Cress e Chili. Não deve estar sendo fácil lidar com a falta da presença de uma pessoa importante. Eu e a Amanita, por exemplo, ainda não conseguimos lidar direito.
    — Deve ser muito triste – comentou Bianca, juntando as mãos.
    Hilda e Hilbert pararam seus afazeres e pareciam pensativos. Ambos não conheciam os pais e sabiam muito bem a falta que fazia não ter para quem perguntar sobre coisas que mais ninguém – até mesmo uma mãe – não conseguiam responder. O garoto ajeitou o boné e pegou sua jaqueta, era hora de agir.
    — Eu vou treinar um pouco.
    Agora? Está tão tarde – Victini bocejou, levantando-se do sofá, seguindo o amigo.
    — Não precisa vir se quiser.
    Só vou te seguir para garantir que não vai se perder. E também pra comprar algo para que eu possa comer – confessou o Pokémon, entrando na bolsa do garoto.
    Hilda levantou-se e vestiu seu boné.
    — Onde vai?
    — Com você, ué.
    — Pra quê?
    — Pra te acompanhar, precisa de motivo?
    Bianca foi a próxima a se manifestar.
    — Eu quero te ver treinar também.
    O garoto seguiu seu sangue subir, queria agir sozinho, e agora tinha três pessoas na sua cola prontas para atrapalhar seu suposto plano. Ele tentou negociar, mas os seus indesejados acompanhantes não paravam de falar no seu ouvido.
    — AAAAH! EU VOU SOZINHO! – jogou sua bolsa com Vic no colo de Hilda e saiu apressadamente, deixando os que ficaram perplexos e curiosos.
    — O que deu nele? – questionou a loira.
    Coisas de Hilbert... – suspirou o Pokémon anjo.

    Hilbert correu até alcançar uma certa distância do prédio e verificou se não estava sendo seguido. Recuperou o fôlego e direcionou o olhar para o restaurante-ginásio, ainda havia luzes acesas, mas eram fracas, provavelmente eram da cozinha. Ele começou a rodear o prédio, procurando um jeito de pode falar com os líderes, mas não precisou se esforçar muito quando Cilan saiu de uma porta a esquerda, retirando o avental e suspirando, sentando-se na pequena escada, o garoto de boné então, se aproximou.
    — Ei – cumprimentou.
    O líder de cabelos verdes olhou para o garoto e demorou uns minutos para reconhecê-lo.
    — Ah, você – riu quando se lembrou. – Desculpe pela experiência catastrófica de hoje. Espero que não tenha vindo reclamar.
    — Eu não achei a comida ruim – ele sentou-se ao lado do outro. – Eu estava lá para desafiar vocês. Meu sonho é ganhar a Liga Pokémon.
    — Acho que você se desapontaria com a batalha que teria contra a gente. Estamos tão perdidos com o falecimento de nossa mãe que o mundo...
    — ...parece estar de cabeça pra baixo e você não tem a quem recorrer – completou Hilbert, olhando para Cilan. – Eu entendo esse sentimento, eu nunca tive um pai... presente. Então muitas coisas eu ainda fico confuso em fazer. Não é como se minha mãe fosse entender todas as minhas perguntas.
    — Exatamente. Não é como se todo mundo soubesse fazer a casquinha de Krabby que só minha mãe sabia fazer – riu o líder.
    —  Você foi a primeira pessoa que me fez comer carne de Bouffalant – confessou o treinador. – Tudo bem que ela veio com morango e creme e isso foi estranho, mas mesmo assim, estava bom. Eu não sou um crítico gas... gastrô... gras... - ele pareceu perdido na palavra.
    — Gastronômico?
    — Isso! Mas enfim, não acho que sua comida seja um problema, nem que você seja um péssimo líder... Vocês... só estão perdidos. Se nada der certo, improvise e faça do seu jeito, nem que se for pra colocar morangos e todo mundo achar estranho. Surpreenda eles.
    Cilan sorriu calorosamente. Há alguns dias precisava de palavras reconfortantes, só não achava que elas viriam de um treinador que tinha achado plausível a combinação de morangos e carne.
    — Porque eu acho que essas palavras valem para você também?
    — Estou tentando te ajudar aqui. Foi difícil pra mim pensar em tantas palavras bonitas, mas eu senti que devia, eu tive alguém incrível que me levantou num momento difícil, eu meio que estou retribuindo – Hilbert sorriu. – Então saiba que eu estou aqui para o que precisar.
    — Isso é que um amigo diz – argumentou o jovem de cabelos verdes.
    — Então eu sou seu amigo – riu.
    — O P. Netto vai voltar aqui amanhã, eu fiz a besteira de dizer que estava pronto para impressionar ele amanhã, mas tô morrendo de medo – confessou.
    — É como eu disse, é só improvisar. E me chama se precisar de ajuda que eu ensino aquele gordão como é que se come direito – riu Hilbert, sendo respondido com uma risada calorosa e amiga do companheiro.
    Depois daquela conversa, Cilan sentiu que estava pronto para fazer o prato mais delicioso de sua vida, e o ingrediente tinha vindo da pessoa que ele menos esperava: Determinação. 



    { 14 comentários... read them below or Comment }

    1. hehehe muito interessante o cap! Adorei! Principalmente as referencias. mal posso esperar para ver o que vai vir agora

      ReplyDelete
      Replies
      1. Yoo Shii

        Too much referências <3 Espero que tenha se divertido :3 Obrigada pelo comentário

        Posso garantir que o o 9 é tão divertido quanto o 8 ahshahshahsha Só aguardar

        See ya

        Delete
    2. Bertinho dando apoio moral para o Líder, mal sabe ele que isto fará o trio ganhar auto confiança o suficiente para sair da maré de derrota e usar a Mirsth como esfregão durante a batalha ._. pobre mincino, agora sei como a cara dela ficou daquele jeito no meu desenho.


      Olá Star! Como tu está?
      Wait, não teve nenhum pokémon novo neste capítulo, isso significa que vou passar mais 3 semanas sem ver PLL? Ou nosso personagem spoiler era nossa maravilhosa referencia para o jurado mais fofo do master chef?

      Curti muito este capítulo mais slice of life, gosto de ver um pouco de calmaria entre capítulos de batalha.
      Acho que é isto, até o próximo Star!

      ReplyDelete
      Replies
      1. POÉTICO ESSE SEU DISCURSO AHSUAUHSHUASHU MIRSTHY ESFREGÃO FODASE HAUSUHAUHSHUAS

        Yooo Anan, estou bem sim, querido, e você? Obrigada por comentar
        O spoiler na verdade tem haver com o nome do Tepig da Hilda, daria um erro de continuação colocar o nome dele antes da Hilda dar um pra ele haushuahus Mas vamos que vem, PLL logo deve chegar com o Tepig ahsuashuahu
        ERICO É MEU PERSONAGEM FAVORITO ATÉ AGORA AUSHUAHUSHU

        fico feliz que tenha se divertido, Anan, é muito bom fazer esses capítulos sem muita ação, estou ansioso para ver vocês no próximo

        See ya <3

        Delete
    3. Bela escolha para a capa, eu não esperava que o foco fosse ser nos líderes tentando superar os obstáculos da vida e também vencer seus medos :3 Dessa vez os protagonistas estavam ali como espectadores antes da merda toda acontecer por causa de nosso ilustríssimo Senhor P. Netto (obrigado pela homenagem, Panetto estaria orgulhoso! ♥). Eu achava que ia rolar muita palavra em francês e memes, mas Érico se mostrou como um personagem muito autêntico, ele está ali para fazer o que faz de melhor, degustar comidas boas e valorizar os melhores cozinheiros!

      Eu gostei muito do momento em que as coisas começaram a ir pelos ares e os três irmãos surtaram, mas quem recebeu um carinho mais especial foi o Cilan naquela conversa final com o Hilbert, foi tão pessoal e sincero, o Hilbert é muito precioso errando as palavras e dando seu melhor para ajudar alguém que em breve será seu rival kkkkk Eu acho que todo líder de ginásio merecia ter um preparo com atenção antes da batalha chegar, porque só chegar e cair na pancadaria sempre me pareceu tanto desperdício mesmo na época dos jogos! E é exatamente capítulos assim que me fizeram me apaixonar pelas fanfics, uma visão renovada de personagens que já conhecemos e não cansamos de nos surpreender <3

      ReplyDelete
      Replies
      1. Yooo Canas

        Bom te ver por aqui <3
        Líderes são pessoas também haushuashu Vou ser sincera, eu odeio esse primeiro ginásio de Unova, acho tão meh, sem graça, mas ele tem algo que dá um puta cenário criativo: Um restaurante. E graças a Deus, quando eu escrevi esse arco, Pesadelo na Cozinha tava no auge, então esse capítulo ficará um pouco datado hasuahushua
        Panetto e Erick Jacquin foi a combinação mais linda que minha mente poderia imaginar ( PAnetto é meu herói, i miss him <3). Eu só não joguei muita palavra em francês por vacilo mesmo, mas no 9 teremos a presença da língua de Kalos hausuahshua

        Eu adoro essa cena no final aaaaaaaaaaa Cilan e Hilbert é tão shippável haushuasuh Eu gosto dessa discussão dos irmãos, revela um pouco da personalidade dos 3 :3 Sinto que acertei neles e dei um destaque merecido, mas o capítulo 9, a ação ainda está pra chegar haushuashu Aguarde, a saia está chegando

        Obrigada pelo comentário e pelos elogios Canas <3

        see ya

        Delete
    4. OLÁ STAR

      Então você decidiu trabalhos nosso trio de líderes que cuidam de um mesmo ginásio favorito (até por que não tem muitos).
      Como sempre o Cress é o mais sensato. É meu favorito dos três.
      Cara, imagina ter que assumir tudo isso, ainda lidando com a morte de um ente querido. É realmente difícil. Mas o Cilan emocionou muito chamando o crítico.
      Por falar nele, não sei se foi a intenção, mas o personagem, em suas primeiras falas, parece antipático, mas ele é de boa. Tipo, ele mesmo admite que tem muito o que aprender, então ele não é prepotente como eu achei inicialmente, pelo visto.

      E nosso menino Hilbert ajudando o Cilan, mesmo que do seu jeito super sincero e simples. Nosso gadinho está evoluindo como pessoa.
      Bom, até o próximo capítulo, Star!

      ReplyDelete
      Replies
      1. Yooo Alefu

        VOu admitir que odeio o primeiro ginásio de Unova, é tão... meh. A sorte dele é que por se passar num restaurante, acaba me abrindo muitas possibilidades, e trabalhar com comida é coisa que eu manjo ahusahushua

        O Cress é reizinho demais, aquele rosto gentil dele me dá essa sensação de mais velho.
        Imagina a pressão desses três irmãos assumindo tantas responsabilidades :(
        Cilan chamar o P. Netto foi bem irresponsável, eu penso que ele estava tão inseguro com o que os outros estavam pensando, que queria usar uma plaquinha para provar que era capaz, e acabou envolvendo os irmãos.
        Acho que as primeiras falas deles tem que soar bem profissional, ele tenta passar uma boa impressão, mas ele está em constante mudança, tanto que ele é o que tem mais destaque dos três. O Chili é explosivo e o Cress é mais calmo, ele está... querendo assumir a liderança pra sentir confiança, então realmente tem muito a aprender

        E o Hilbert, como sempre, enfiando o nariz onde não é chamado. Eu gosto de como os dois conversam por se parecerem tanto de maneiras muito distintas. Dentro do meu coração, eu shippo eles um pouco haushashuahus

        Orgulho do nosso gadinho <3

        Obrigada pelo comentário :3

        See ya

        Delete
    5. Heeey Star! Demorei, mas to aqui pra comentar no capítulo.
      Realmente eu esperava que nesse fosse acontecer a batalha de ginásio do Hilbert, mas esta não ocorreu, penso que até tenha sido melhor assim porque ele teve tempo de se preparar e os líderes de ginásio de serem apresentados. A primeira batalha de ginásio é um evento muito importante na vida de qualquer treinador, ainda mais se tratando eles de crianças.
      Sobre os líderes, bem, achei um capítulo divertido de ser lido, porém senti falta de profundidade nos personagens, tudo seria ok se apenas houvesse apresentação deles para os protagonistas, mas quando você criou todo uma cena e um contexto de caos e conflito dos próprios líderes, meio que não me estabeleceu uma conexão com eles entende? Pra mim ficou só como uma cena jogada, acho que se o capítulo tivesse começado com uma aproximação do grupo com um dos três irmãos, dele narrando como foi difícil para manter tudo funcionando e como estava nervoso com a chegada do chef, teria dado um sentimento a mais e a gente poderia sentir mais empatia por eles.
      "Eles perderam a mãe faz uma semana e o dia no restaurante foi um caos. Hilbert: Fodase vo desafiá mermo asssim "Já ia chamando o Hilbert de cuzão egoísta, mas ainda bem que ele conteve os ânimos e foi legal com o Cilan no final.
      Acho que é isso, Star. Creio que a batalha de ginásio deve acontecer no próximo capítulo e estou curiosa acerca de como vc a trabalhará.
      Abraços! Continue o bom trabalho!

      ReplyDelete
      Replies
      1. Yooo Carol

        Todo mundo ta esperando essa bendita batalha e eu vim aqui pra quebrar expectativas.
        Eles esperavam batalhas, vão receber episódio de Pesadelo na Cozinha.
        Eu admito que odeio esses 3 irmãos, acho eles tão broxantes em quesitos de batalha.
        A princípio eu trouxe a Bianca justamente pra fazer uma batalha tripla, mas o mangá já fez isso, copiar seria muito óbvio. A ideia do Érico veio para um especial, mas o Canas e eu tivemos uns brainstorming e eu notei que esse plot principal seria incrível.
        Poxa, que pena que não consegui te passar essa sensação logo de cara, estarei de olho para não errar na frente.
        Obrigada pelo comentário, bb <3

        See ya

        Delete
    6. “Pesadelo na Cozinha” inicialmente me pareceu uma ótima transição entre o Dreamynard e a batalha de ginásio que está prestes a acontecer, até perceber que também teve o proposito de apresentar personagens novos e aprofundá-los levemente, deixando o protagonismo com eles. É ótimo ver as ideias que os autores têm pra conciliar os arcos da historia sem deixar a emoção de lado, deve ser complicado sair de um capitulo emocional como o 5, ou de um com batalhas intensas como o 7 e dar rumo a história, mas você faz isso muito bem. Eu ri com as semelhanças com o programa de tv mesmo, e fui conferir as notas do capitulo só pra ter certeza que tinha pegado as referencias kkkk

      ReplyDelete
      Replies
      1. Yooo Subversivo

        Muitas pessoas esperavam uma batalha de ginásio até eu colocar um chef francês gordo pra falar sobre Casquinhas de Krabby. Culpa minha que fiz uma espécie de "clickbait" ahsuauhshuas Mas esse capítulo é só o começo do que vai vir no 9 õ7 Uma pequena introdução para você se familiarizar com os três chefs hausahushuahus
        Poxa, obrigada, de verdade, sempre que eu escrevo um capítulo, eu tento colocar na minha cabeça que ele tem que ser incrível do seu jeito e não depender de outro capítulo <3 Então eu agradeço e fico feliz e satisfeita em saber que estou te divertindo <3

        Eu adoro Pesadelo na Cozinha, fiz reprise da maioria dos episódios e nunca me canso de assistir, apesar de que um tempo esse capítulo ficará datado, valeu a homenagem <3 E AS REFERÊNCIAS NUNCA SÃO DEMAIS

        Obrigada por ler, Sub <3

        See ya

        Delete
    7. E eu que estava à espera do combate de ginásio e recebi literalmente um programa de pesadelo na cozinha? Star, achei muito criativo e interessante ao mesmo tempo! A estratégia de apresentar um pouco das histórias dos Líderes de Ginásio antes da verdadeira batalha torna-os mais tridimensionais, sabe? E, no fundo, isso é lindo. Porque Líderes de Ginásio não são apenas postes que você deve ultrapassar para vencer.

      Gostei de ver esse núcleo de cinco personagens a interagir. É interessante ver como todos lidam uns com os outros. Da mesma forma, os três irmãos mostraram alguns traços de personalidade bem diferentes uns dos outros. Mas é claro, Cilan tem sempre aquele maior protagonismo. Estou curioso para ver como eles vão lidar com esse lance do restaurante e, ao mesmo tempo, superar a tão recente morte de sua mãe.

      A conversa entre Hilbert e Cilan no final foi bem fofa. Quando ele disse que, quando precisava, tinha tido alguém que o ajudava... o meu coração derreteu. Admito que talvez Hilbert e Hilda tenham mais química que Hilbert e Angie... mas não vou desistir ainda viu???

      Da mesma maneira, mal posso esperar para ver qual será a estratégia adotada para esse gym de triple trouble. Será que Hilda e Bianca vão lutar ao lado de Hilbert? Isso seria muito interessante! Enfim, cá estarei para ver! Até!

      ReplyDelete
      Replies
      1. Yoo Angie

        Acho que enganei todo mundo com esse capítulo. Eu estava muito no clima de Pesadelo na Cozinha, eu adoro esse programa com todas as minhas forças, e como ele estava em alta na época, resolvi aproveitar <3

        Fico feliz que tenha gostado de toda essa dinâmica, apesar de rápido, eu quis introduzir aos poucos os três lideres sem colocar muita informação, acho que só de vocês saberem quem eles são e o que está acontecendo na vida deles, já ajuda a criar uma compaixão momentâneo.
        Como vc disse, é melhor que eles parecerem 3 postes que só servem pra molecada arrancar a insignia deles ahsuhuahu Eles tem seus próprios desafios

        AAAAAAAH, MAS EU SHIPPO CILAN E HILBERT HASUAUSHUASHU
        VAI ANGIE, EU CONFIO, VC VAI CONQUISTAR O BERTINHO HAUSSHUASHU <3

        Obrigada pelo comentário

        See ya

        Delete

  • Copyright © - Nisekoi - All Right Reserved

    Neo Pokémon Unova Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan